terça-feira, 29 de abril de 2014

Temas da atualidades que podem cair no Enem e vestibulares 2014/15


Crise energética, água e 50 anos do golpe militar estão entre apostas dos professores. Saiba como se preparar para as provas deste ano.

Em junho do ano passado, VEJA.com pediu a professores que apontassem uma série de temas a partir dos quais os candidatos poderiam se preparar para a redação do Enem (clique para ver o conteúdo especial). A ideia não era tentar prever o tema da redação, mas oferecer assuntos que provocassem reflexão e propiciassem treinamento para os estudantes. Entre os assuntos elencados pelo time de especialistas apareceu o seguinte: lei seca. Quem realizou a prova oficial, em novembro, deve se lembrar do tema da redação do Enem 2013: efeitos da implantação da lei seca no Brasil. O acerto, raro em provas como o Enem, revela a importância da preparação: quem conferiu o conteúdo elaborado por professores e publicado por VEJA.com, ganhou um reforço no estudo.
Para o Enem e os vestibulares 2014/2015, VEJA.com voltou a conversar com professores de alguns dos principais cursos preparatórios do país. A tarefa agora é elaborar uma lista de assuntos da atualidade que de fato podem aparecer nas provas. A lista abaixo traz um resumo das apostas dos mestres, explica como os assuntos podem aparecer na avaliação e oferece links para reportagens de VEJA relacionadas aos temas: a leitura delas pode ampliar a visão do candidato sobre os tópicos tratados.
Acompanhar assuntos que são discutidos no Brasil e no mundo é um fator importante para um bom desempenho no Enem e nos vestibulares em geral. Ao contrário de outros vestibulares, o Enem não cobra de seus candidatos informações pontuais sobre atualidades. Mas o exame é permeado de assuntos do cotidiano que exigem do estudante conhecimentos básicos sobre o que está em debate no país e no mundo.
"O Enem não é factual, não cobra do aluno detalhes de um assunto que ganhou as manchetes dos jornais às vésperas da prova, mas exige atenção a temas que pautaram as discussões no Brasil nos últimos doze meses", diz Paulo Moraes, coordenador da área de geografia do Anglo Vestibulares, de São Paulo. "Os temas apresentados, portanto, podem introduzir questões que testam as habilidades específicas do aluno e medem seu conhecimento geral."

Extração de gás e petróleo de xisto

A extração de gás e petróleo a partir das rochas de xisto tem crescido a cada ano, ganhando destaque nas discussões sobre matriz energética. Em 2013, o petróleo obtido a partir desse minério representou 29% da produção total do produto nos Estados Unidos. O gás de xisto, por sua vez, representou 40% do total.
O tema é uma das principais apostas dos professores Joel Pontin, do Cursinho da Poli, e Alexandre Gobbis, do Cursinho do XI, para o Enem 2014. Segundo Pontin, é imprescindível que os estudantes conheçam os processos de extração e entendam a importância desse minério para a economia mundial. "O grande comprador de energia são os Estados Unidos, que estão priorizando o xisto. Essa questão pode alterar todo o cenário energético mundial", diz.
As reservas desse minério representam 10% do total de petróleo e 32% do gás disponível no planeta. O país que mais detém reservas é a Rússia, seguida por Estados Unidos, China e Argentina. Já os países com maiores reservas de gás de xisto — encontradas entre as camadas do mineral — são China, Argentina, Argélia e Estados Unidos. O Brasil  também possui grandes quantidades do minério e, em 2013, o governo chegou a realizar leilões de exploração da reserva. A produção a partir desse material, entretanto, está paralisada por falta de regulamentaçãoespecífica.
Para produzir petróleo e gás a partir do xisto é preciso explodir as rochas do minério por um processo chamado de “faturamento hidráulico”, que injeta grandes quantidades de água misturada a produtos químicos sob grande pressão. A técnica, porém, é questionada por ambientalista e já foi proibida na França e na Bulgária.

Água e crise no sistema hídrico

As anomalias verificadas nos índices pluviométricos, que tiveram como consequências a falta de água em São Paulo e enchentes em outros Estados da região Sudeste, também estão entre as apostas dos professores de cursinho. "O stress hídrico esteve na pauta dos jornais por meses e o tema abre margens para toda a sorte de perguntas no Enem, que pode cobrar desde conhecimentos sobre mananciais até a fórmula química da água", afirma Joel Pontin, do Cursinho da Poli.
No início do verão, houve muitas chuvas em Minas Gerais, Espírito Santo e norte do Rio de Janeiro. No leste de Minas Gerais e no norte do Espírito Santo, não chovia tanto desde 1979. Essa umidade, entretanto, não alcançou a cidade de São Paulo. Dezembro de 2013 foi o terceiro mês menos chuvoso dos últimos 71 anos na capital, só perdendo para os anos de 1999 e 1963. Ainda assim, as chuvas na capital só atingiram o volume de 237,9 milímetros, inferior à média histórica de 265,6 milímetros. Com isso, o reservatório da Cantareira, que abastece a Grande São Paulo, teve sua capacidade reduzida. Na última terça-feira, o volume armazenado de água caiu para 11,9% da capacidade.
Já na região Norte, o excesso de chuvas deixou diversos pontos de Porto Velho (RO) submersos e o Acre ilhado em função da cheia do Rio Madeira, que em março de 2013 bateu recorde histórico com 25,44 metros de profundidade. A cheia afetou pelo menos 66.000 pessoas e deixou famílias desabrigadas em dez cidades da região, além de interromper o tráfego nas principais rodovias de Rondônia, como a BR-364 e a BR-319.

Crise energética

A crise no setor energético é um dos temas constantes no Enem, afirma Paulo Moraes, do Anglo Vestibulares. "É um tema que mistura questões de física, química e biologia, uma interdisciplinaridade que é típica de questões do exame federal", explica. O Brasil tem atualmente capacidade elétrica instalada de 120.000 megawatts, mas desde 2013 enfrenta dificuldades no abastecimento, com registros de apagões em diversas regiões do país que acarretaram problemas para a economia.
Em janeiro, foram registrados os dez maiores picos de consumo de energia da história do Brasil e, em fevereiro, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) registrou apagões em onze Estados das regiões Norte, Sudeste e Sul. Só na região Sudeste, a falha no sistema elétrico pode ter atingido 950.000 pessoas. Pelas normas de segurança, o sistema elétrico brasileiro precisa trabalhar com sobra de energia equivalente a 5% da eletricidade consumida no país. Entretanto, em janeiro, essa marca atingiu 2%.
Uma das justificativas para o problema apresentadas pela ONS foi uma interrupção no fornecimento de 5.000 megawatts/hora para essas regiões. Outra explicação para os apagões é a de que descargas atmosféricas (raios)  provocaram curtos-circuitos no sistema nacional, causando a queda de energia. Entretanto, apesar de o Brasil ser um dos países com maior quantidade de raios do mundo, o sistema elétrico foi montado para ser à prova de descargas elétricas, com a proteção de uma grande rede de para-raios.
O principal gerador de energia no país são as usinas hidrelétricas, que respondem pela geração de 86.923 MW, seguidas das termelétricas a gás (9.816 MW), as usinas a biomassa (8.870 MW) e usinas a óleo e bicombustíveis (5.297 MW). Outras formas de energia respondem por parcelas menores do fornecimento, como as pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) e centrais geradoras hidrelétricas, que somaram no ano passado 4.805 MW de capacidade de geração. As usinas a carvão mineral registraram 3.152 MW, as eólicas marcaram 2.181 MW e as nucleares, 2.007 MW.

Problemas urbanos e sistemas modais

Outro assunto "clássico" do Enem são as questões relacionadas a problemas urbanos. “Esse é um assunto frequente, que é renovado com os temas que estiveram na imprensa nos últimos meses”, afirma Paulo Moraes, do Anglo Vestibulares. Este ano, o transporte é uma das apostas do educador, tendo como ponto de partida asmanifestações de 2013 que reivindicaram melhorias no transporte público e colocaram o tema no topo das agendas governamentais. “As questões do Enem não devem abrir margem para o debate político. Elas provavelmente vão cobrar conhecimentos sobre os sistemas modais mais usados no Brasil”, explica.
Atualmente, mais de 80% da população vive nos centros urbanos, nos quais o transporte mais utilizado é automotivo. Em 2012, a frota de carros no Brasil chegou a 50,21 milhões. A cada minuto, 152 novos automóveis deixam as fábricas do mundo para ganhar as ruas. Comparativamente, usando como base a cidade de São Paulo, a frota de ônibus representa apenas 8,2% do total de carros. A desproporção acarreta imensos congestionamentos nas grandes capitais e, ao mesmo tempo, dificulta a locomoção em cidades menores, que sofrem com a falta de linhas de transporte nos bairros mais afastados.
A pressão da sociedade por melhor transporte público acabou chegando ao gabinete da Presidência. Em julho do ano passado, a presidente Dilma Rousseff falou da necessidade de uma mudança na matriz do sistema de transporte, enfatizando o aumento das redes de metrô, trens leves e corredores de ônibus. Dilma também anunciou a liberação de 50 bilhões de reais para empreendimentos de mobilidade urbana.

Movimentos sociais

A partir das manifestações por melhorias no transporte em junho 2013, a onda de protestos organizados por movimentos sociais e por grupos como os black blocs ganhou força em todo o país. Exatamente pelo destaque que teve nos últimos meses, o tema é uma das apostas do professor Samuel Loureiro, do Cursinho do XI, para o Enem. "A discussão sobre os protestos pode abrir caminho para o questionamento sobre a trajetória histórica dos movimentos sociais", analisa.
Saber quais foram as motivações dos principais movimentos sociais do Brasil e fazer a correlação entre os antigos e os atuais é um dos caminhos para compreender como eles influenciaram e ainda influenciam o país, explica o professor.
O movimento feminista é um dos que pode aparecer na prova do Enem, segundo Loureiro. "É um grupo que conseguiu influenciar as políticas públicas e já foi citado em exames anteriores", explica. Conquistas do grupo, como a Lei Maria da Penha e a ação de movimentos internacionais como o Femen, também podem cair na prova. Ainda segundo o professor, para entender melhor os movimentos sociais e se preparar para a prova, os estudantes devem pesquisar um pouco sobre as ideologias políticas e ecônomicas que pautam esses grupos. "O aluno tem que saber diferenciar o comunismo do anarquismo e entender quais outras ideologias estão presentes no cenário mundial hoje. Isso é imprescindível para garantir o bom desempenho nas questões relacionadas à sociologia, geopolítica e história."

50 anos do golpe militar

Há 50 anos o Brasil foi palco de acontecimentos políticos tão dramáticos e relevantes que ainda hoje continuam em discussão: o golpe militar de 1964. O ação, que resultou em mais de 20 anos de regime militar, também é uma das grandes apostas dos professores de cursinho para o Enem este ano. "A importância histórica desses fatos e a quantidade de documentos da ditadura que foram revelados recentemente levaram o tema com mais força para as salas de aula", explica Samuel Loureiro, do Cursinho do XI.
O mês de março deste ano foi palco de protesto contra o golpe, que destitui do poder o então presidente João Goulart, e também de uma nova marcha da família, em homenagem à Marcha da Família com Deus pela Liberdade de 1964, que reuniu cerca de 100.000 pessoas na Cinelândia, no Rio de Janeiro, dias antes da tomada do poder pelos militares. A correlação histórica é necessária para entender os efeitos da ditadura e o processo de redemocratização do país, garante Loureiro.
Outro assunto relacionado à ditadura que também pode aparecer na prova é aComissão da Verdade. Instituída em 2012 pela presidente Dilma Rousseff, a comissão tem a missão de apurar crimes cometidos durante a ditadura. Entre as medidas tomadas pela comissão, está a exumação dos restos mortais de João Goulart para analisar a causa de sua morte.

Vacina contra o vírus do HPV

Em março deste ano, o governo federal começou a vacinar gratuitamente meninas de 11 a 13 anos de idade contra o vírus do HPV. O tema, apesar de recente, já havia passado por discussão em 2013 e é um dos assuntos com grande probabilidade de cair no Enem neste ano. Para o professor Joel Pontin, do Cursinho da Poli, o assunto pode servir de gancho para perguntas sobre biologia. "Vacinação, de modo geral, não é um assunto muito presente no Enem, que pode usar a grande repercussão dessa vacina para introduzir algumas questões".
A vacina contra o HPV é capaz de prevenir a transmissão do vírus causador do câncer do colo do útero, que pode ser contraído por meio de relação sexual, contato direto com pele ou mucosa infectadas, e também no momento do parto. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 290 milhões de mulheres no mundo sejam portadoras do HPV, sendo que 32% são infectadas pelos tipos causadores do câncer. Por ano, 270.000 pessoas morrem em decorrência da doença.
Até 2016, o governo quer expandir a vacinação para meninas de nove anos, faixa etária considerada ideal para evitar a propagação do vírus do HPV, segundo especialistas. Para o professor Pontin, é importante que os estudantes pesquisem mais informações sobre o vírus do HPV e sobre a atuação da vacina no corpo humano. "O tema pode aparecer em uma pergunta mais ampla sobre a vacinação, abrangendo inclusive outros tipos de vacinas", explica.

Bianca Bibiano, na Veja

Um comentário:

Desbravadores de Livros disse...

Adorei as dicas. Realmente são temas que tem grandes chances de entrar no ENEM.

M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de Abril