terça-feira, 18 de março de 2014

E se eu quiser viver de literatura no Brasil?



Literatura não é das áreas mais estáveis, nem promissoras. Lógico, existem pessoas que ganham uma puta grana, mas né, não pautemos toda uma área em generalizações. Pra ser sincero, viver de literatura nunca foi minha grande preocupação; parecia-me um processo natural de: quero alcançar tais objetivos. Se os alcança-los, então, viverei de literatura. Pode parecer simplista – e talvez seja, mas já lhe contei por aqui que costumo simplificar tudo mesmo.
Ainda no âmbito pessoal, não demorei muito, com o literatortura, para perceber que editoras, em suma, costumam ser coxinhas e não usarem toda a força do marketing e de seus leitores. O que falar duma editora, por exemplo, que paga 50 mil pra um determinado site de ENTRETENIMENTO (com foco em cinema, que não tem sequer UMA aba para literatura) pra ter o seu livro no background (fundo) daquele portal por 1 mísero dia? Mas, aí, pra ti, o maior site literário do Brasil, a danada quer te pagar com permuta. Ou seja, pagando com livros…
Meu amor, pode me dar livros, eu adoro, mas não vou trabalhar pra ganha-los.
Os dois lados: outro dia, porém, fizemos uma ação super legal pra Editora Zahar, que a querida Letícia Monteiro, mídias sociais da editora, viabilizou. O resultado foi baaastante positivo. Teria sido ainda mais, caso o facebook não tivesse cortado em 60% o alcance das páginas, poucos dias antes. De todo modo, a Zahar mostrou-se bastante a frente de muitas outras, apostando numa ação estritamente via facebook e pagando em grana (o blogueiro dá glória!).
Ou seja, parceiro ativo do blogueiro, ainda é, infelizmente, o google adsense. Infelizmente porque poderiam ser as editoras, livrarias etc; mas, felizmente porque se ele não existisse, 90% dos sites que você conhece simplesmente não durariam. Todos esses anúncios que o literatortura possui, em banner, são graças ao google. E ganhamos devido à comissão de cliques. Ou seja, quanto mais cliques, mais ganhamos (obviamente, existem regras para que ninguém fraude. Ou seja, é impossível ficar clicando em anúncios o dia inteiro.)
De todo modo, hoje consigo ganhar dinheiro graças ao literatortura e, usando-o, investir em outros projetos e pagar quem trabalha no site; não é uma quantia grande, mas é algo que geralmente não me dá prejuízo.
A partir disso, um dos meus grandes objetivos desse ano é fazer com que o literatortura adquira uma independência financeira formidável. E o farei através de diferentes projetos, como o retorno da Revista Literatortura em parceria com uma editora virtual de qualidade incrível; o possível lançamento dum selo literário, a possibilidade dum curso ainda “secreto” online, e outros projetos secundários, além de me lançar como escritor e esperar que seja o novo best seller mundial (mentira, gente, menos presunção haha. Se vender bem e a galera gostar do livro, já estarei feliz demais!)
Logo, para responder a pergunta [antes eu preciso dizer que quero muito falar desse tema em outras colunas; vocês podem, inclusive, deixar comentários com perguntas etc. Minha ideia é fazer um especial sobre “todas as profissões” dentro da área], se você quiser viver autonomamente de literatura no Brasil, terá de ser criativo, estudar muito o mercado, buscar alternativas para se estabelecer financeiramente; ou, trabalhar numa editora, livraria etc, o que, de certo modo, também é viver de livros. Agora, se você for escritor, terá que dançar enquanto atiram nos seus pés, ser bom e conseguir se vender – mas, isso é papo pra outra coluna, só dela haha.
Viver no brasileiro através de literatura é, sim, possível e, hoje, menos difícil do que em qualquer época. É necessário, entretanto, ampliar o leque: é possível ser blogueiro, resenhista, escritor, como também assalariado de uma editora, cursinho, faculdade, agencia literária etc. Minha dica básica é: especialize-se. Não, não feche seus olhos para outras opções dentro da literatura, mas, escolha UMA para ser, de fato, um “sabe-tudo” daquilo.
Blogueiro? Então estude todos os sites literários, encontre lacunas, falhas, possibilidades, tendências, linguagem, modos de divulgação. Seu conhecimento tem de ser notável e seu timing perfeito.
Escritor? Estude teoria, técnicas, escreva muito e conheça o mercado. Principalmente, conheça o mercado. – não me aprofundarei nesse ponto porque quero tratar individualmente dele.
Essa coluna serve pra introduzir o tema, mostrar que é possível viver de literatura e abrir os ouvidos para as principais dúvidas e curiosidades de vocês. Diferente das últimas semanas, não é nada autoral, é mais um artigo pra ouvir e ser ouvido.

Gustavo Magnani, no Literatortura

3 comentários:

Taty Assis disse...

Então, pode até ser possível viver de literatura.. mas, é uma pena que aqui no Brasil não existe muitas oportunidades para escritores nacionais.
Gostei bastante da coluna...
Bem interessante.
Beijos,
aculpaedosleitores.blogspot.com.br

Aline - Literalizando Sonhos disse...

Oi Rose!
Ótimo post. Bom para quem se interessa refletir bastante, mas acho que quando se faz o que ama, por mais dificuldades que se tenha, vale a pena né? =)
Beijos

Li
literalizandosonhos.blogspot.com.br

Livreando disse...

Olá Rose!

Um pena que o trabalho dos blogs não seja valorizado no país. Fazemos nosso trabalho apenas por amor mesmo, porque luro financeiro não dá pra conseguir.

Beijinhos.
Carol - Livreando